CinePagu - Desafios éticos contemporâneos: entre desejos, afetos e assédios. 27 e 28/11/2018

Data do Evento: 
27/11/2018 - 09:00 até 28/11/2018 - 17:00

CinePagu - Desafios éticos contemporâneos: entre desejos, afetos e assédios

link para realização de inscrição: https://goo.gl/forms/MlovmGQCImTRd9ge2

Coordenação Geral: Karla Bessa (PAGU/Unicamp)
Equipe: Gilberto Sobrinho (IA/Unicamp); Josianne Cerasoli (IFCH/Unicamp); Ana Carolina Canabarra (PAGU/Unicamp); Gabriel Botim (Midialogia/Unicamp).

Após uma série de denúncias, mobilizações a alguns processos instaurados, em setembro de 2017, por portaria do reitor Marcelo Knobel, criou-se um GT - Grupo de trabalhos estabelecido pelas Portarias GR-83, 84 e 85/2017 para apresentar proposta de política de combate à discriminação baseada em gênero e/ou sexualidade e violência sexual na Universidade Estadual de Campinas. O GT é presidido por Ana Maria Fonseca de Almeida, professora da Faculdade de Educação. Este foi um importante e decisivo passo institucional em função da disseminação de debates e de estratégias claras de coibição da discriminação sexual e/ou de gênero e violência sexual. O CinePagu, um projeto de exibição e debate de filmes com temáticas ligadas às pesquisas e atividades do Núcleo de Estudos de Gênero da Unicamp, interligado com professores dos Institutos de Arte e do Departamento de História, propõe este evento como uma contribuição acadêmico/cultural sintonizada com as proposições do GT. No nosso entender, este evento se justifica por ser mais um importante instrumento de sensibilização e de aprofundamento dos debates já iniciados pelo GT, só que com foco nas produções audiovisuais contemporâneas, ou seja, na cultura audiovisual a qual dissemina imaginários que ora reiteram, ora questionam os padrões normativos sexistas que predominam nas relações entre os gêneros na maioria dos espaços públicos e privados da vida contemporânea. A proposta não pretende substituir nenhuma das ações do GT, pelo contrário, vem somar parcerias no sentido de ecoar as preocupações e políticas de combate às violências de gênero e sexualidade, envolvendo a comunidade acadêmica da cidade de Campinas nesta longa empreitada de mudança de hábitos, atitudes e sentimentos. Trata-se de um assunto de abrangência internacional, tanto no âmbito institucional (de várias universidades e de políticas de governos de vários países) quanto de movimentos sociais(de mulheres, lgbtI, negras/os, decolonial) no Brasil e América Latina. A visibilidade do tema em filmes nacionais e internacionais dos últimos dez anos é mais uma evidência de que se trata de uma questão de alta relevância para a convivência social e para a própria noção de espaço público. Precisamos entender que há pessoas em condições de maior vulnerabilidade que outras em termos de assédios e violências em função de ser ou não portadoras de signos de feminilidade, lidos e percebidos ao mesmo tempo e contraditoriamente como fragilidade e provocação (sedução). A feminilidade ainda é um grande alvo de sutis e explícitas violências sejam de mulheres trans, cis, negras e/ou lésbicas. No quesito assédio e violência, estudos apontam que nem mesmo as mulheres que se conformam em perfis normativos de corporalidade, beleza, moralidade e religiosidade estão livres dos efeitos perversos de uma gestão da vida pautada pela naturalização da injúria e do desrespeito que se baseia nas hierarquias de poder dos cargos, dinheiro, cor e gênero. Os perfis montados pelos estudos e observatórios da desigualdade e das violências são unânimes em destacar que há alvos e lugares privilegiados (pessoas em posição submissa seja por critérios hierárquicos, financeiros, profissionais, étnicos, portanto mais vulneráveis) embora ninguém esteja a salvo, nem mesmo entre familiares e pessoas do círculo íntimo de amizades. Por partir de uma compreensão não sectária, que remeta a uma infantilização da guerra dos sexos (homens X mulheres), o evento se propõe a pensar as variações e os muitos silenciamentos em torno da questão. Além dos depoimentos que remetem a episódios mais ordinários e corriqueiros dos tipos e variações dos abusos e assédios, o evento irá abordar ainda tópicos mais incomuns, como por exemplo os depoimentos de vários homens negros que sofreram assédio e/ou abusos sexuais em suas infâncias e juventudes. Outro tema é a questão do sequestro de meninas (adolescentes) para fins de arma de guerra, ou seja, os estupros que ocorrem em situações de conflitos armados que se utilizam dos abusos de poder para subjugar sexualmente mulheres, jovens e crianças. 
As mesas de debate, para além das projeções fílmicas, se justificam por permitirem avançar no processo de compreensão das transformações históricas pelas quais estamos passando, abrangendo reflexões de cunho filosófico que problematizam as saídas midiáticas de espetacularização das intimidades e denúncias e exposições dos “agressores”, num jogo de enunciados/enunciadores que remete ora para importantes avanços, ora para essencialismos conservadores. 
Enfim, esta edição especial do CinePagu (projeto que existe na Unicamp desde 2009) une três importantes áreas: cinema(arte), pesquisa/ensino e o cultivo de uma cidadania plena e democrática, por problematizar este nó central (desejo/assédio) nas relações de gênero.

Programação

Dia 27/11/2018

Manhã
09:00 às 12:00hs. 
auditório I Fausto Castilho - IFCH

Mesa I - Questões éticas e estéticas na delimitação e caracterização da violação, abusos e assédios sexuais do ponto de vista das lutas e conquistas históricas do feminismo local e internacional. 
Coordenação da mesa: Josianne Cerasoli (IFCH/Unicamp)

Convidados: 
Rafaela Vasconcelos (UFMG)
Mônica Campos (INHIS/UFU)
Karla Bessa (Pagu/Unicamp)

Tarde
14:00 às 17:00hs.
auditório I Fausto Castilho - IFCH

Sessão Filme-Debate

Debatedores: Janaína Oliveira (Fórum Itinerante do Cinema Negro)
Gilberto Alexandre Sobrinho (IA/Unicamp)

Filme1: Girl Fact: a guide to surviving sex slavery
Direção: Maël G. Lagadec (17min. 2016)
Sinopse : No leste da República Democrática do Congo, o estupro tem sido utilizado como estratégia de guerra há mais de quinze anos. Martha escreve então um guia de sobrevivência à escravidão sexual para outras garotas adolescentes.

Filme 2: Untold story (lançamento no Brasil) 
Diretor: Ruda Santos
Ano de Produção: 2018/ Londres- 28min.
Sinopse: Baseado em um livro de inventário de várias histórias de assédio, o filme aborda a narrativa de vários homens negros (jovens) em Londres e Nova Iorque que sofreram abusos e assédios sexuais em suas infâncias ou início da juventude.

Sessão noturna - 19:30 às 21:00hs
auditório I Fausto Castilho - IFCH

Filme: Precisamos Falar sobre Assédio
Documentário, longa-metragem, 80', Cinemascope, 2016
Sinopse: Na semana da mulher, uma van-estúdio parou em nove locais em São Paulo e no Rio de Janeiro. O objetivo era coletar depoimentos de mulheres vítimas de qualquer tipo de assédio. Ao todo, 140 decidiram falar. São relatos de mulheres de 14 a 85 anos, de zonas nobres ou periferias das duas cidades, com diferenças e semelhanças na violência que acontece todos os dias e pode se dar dentro de casa, em um beco escuro ou no meio da rua, à luz do dia. No filme, temos uma amostra significativa deles. Nos depoimentos puros, sem qualquer tipo de interlocução ou entrevista, acompanhamos um desabafo, um momento íntimo ou a oportunidade de falarem daquilo pela primeira vez.
Direção: Paula Sacchetta (Brasil, 2015)

DIA 28/11/2018

Manhã
09:00 às 12:00hs 
auditório I Fausto Castilho - IFCH

Mesa II- #chegadefiufiu , #mexeucomumamexeucomtodas - Espetacularização midiática das violências e assédios sexuais- estratégia e/ou captura política?

Coordenação da mesa: Camila Godoy (feminista trans- grupo Trans-tornar- Jundiaí)

Convidadas:
Claudia Lago (ECA-USP)
Mariana Baltar (UFF)
Iara Beleli (PAGU/Unicamp)
Helen Santos Aguiar (Pretas InCorporações)

Tarde: 14:00 às 17:00hs. 
Casa do Lago Unicamp

Sessão Fílmica – 
Filme: Chega de Fiu-Fiu
Direção: Fernanda Frazão, Amanda Kamanchek
Brasil, 2018
Sinopse: Por meio de imagens coletadas por câmeras escondidas, o filme acompanha o dia a dia de três mulheres com vidas distintas, vendo como a violência de gênero é constantemente praticada no espaço público urbano. Especialistas discutem o assunto, buscando encontrar respostas e alternativas para uma questão fundamental: se as cidades foram feitas para as mulheres.

Conversa com Marina Baltar.