Histórico


Desde suas origens até 2008, o Pagu passou por três fases. Num primeiro momento, a partir de 1991, funcionou como um Centro de Estudos, sediado no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, congregando docentes, pesquisadoras e estudantes em torno de pesquisas e seminários concernentes às relações de gênero. A presença de Elizabeth Souza-Lobo, na época professora visitante do Departamento de História, foi um estímulo importante para a criação desse Centro. Em 1993, o Pagu iniciou sua fase de implantação como Núcleo de Pesquisa da Unicamp. Após sua institucionalização, o Núcleo iniciou a organização de seu corpo administrativo e científico e ampliou suas atividades e linhas de pesquisa. No triênio 1997/1999, a consolidação foi marcada pelo excelente desempenho e considerável produtividade, o que levou o Pagu a ser classificado no nível A – maior classificação de centros e núcleos da Unicamp -, conforme avaliação da Comissão de Atividades Interdisciplinares – CAI, Conselho Universitário da Unicamp.
 
A partir de 2000 o Pagu ampliou o alcance de suas atividades, diversificando os projetos financiados por agências de fomento nacionais e internacionais, ao mesmo tempo em que suas pesquisadoras avançaram em seus processos de capacitação e titulação.